Termas de Caracalla

Também conhecida como Termas Antonianas. Foram construídas pelo imperador Caracalla, entre os anos 212 e 217, rodeadas por um recinto externo, obra dos imperadores Eliogábalo e Alexandre Severo. Este último era filho de Julia Mamea, uma mulher com preocupações religiosas, que ouviu com prazer Hipólito Romano e trouxe Orígenes de Alexandria para falar com ela sobre o Cristianismo. As fontes termais continuaram funcionando no século IV, quando a instalação hidráulica foi desativada, obra de grande perfeição de engenharia. A planta corresponde ao tipo estabelecido no Império desde o século II: uma grande construção central, rodeada de jardins, dentro de um recinto retangular com ambientes acessórios. Ele ocupava um espaço quadrado de cerca de 330 m de lado, o edifício central mede 220 x 114 m.

A entrada era na Via Nova, paralela ao Appia. Hoje, você entra pelo frigidarium (água fria), uma sala retangular quase inteiramente ocupada pela piscina. Paralelo a isso está o tepidarium (água morna), que se comunica nas extremidades com as salas de aula ou ginásios, por meio de dois ambientes intermediários. No meio do lado comprido da sala de água quente através de uma segunda sala, cella media, muito menor, passava-se para o calidário, ou sala de água quente, uma sala circular de 35 m de diâmetro, em grande parte destruída e ocupada pelas instalações do teatro verão. Nas laterais e no entorno das palestras, havia outras salas dedicadas a exercícios e serviços de ginástica. Além da ruínas do estádio, ladeadas por bibliotecas.

Ao que parece, o complexo continha banheiros individuais e coletivos, podendo atender cerca de 1600 visitantes simultaneamente. A decoração com mármores policromados e revestimentos metálicos, constituiu uma das mais importantes colecções de esculturas da época, que hoje é distribuída pelos principais museus italianos, nomeadamente no Museu Nacional de Nápoles (coleção Farnese) As dimensões já dão uma ideia do luxo das fontes termais, até os vasos eram feitos de basalto e alabastro.

Deixe uma mensagem pra Edna Costa!

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *